Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Últimos assuntos
» Quem leu A Cabana de William P. Young??
Dom Abr 26, 2015 1:01 pm por Everton Marques Ribas

» Dicas de Leitura para mim
Qui Nov 06, 2014 3:53 pm por amelieS

» Erica Cardoso
Qui Jul 31, 2014 9:44 pm por Erica Cardoso

» MEU LIVRO DE AEROMODELISMO
Seg Jul 21, 2014 8:56 pm por yoda

» [AD]Ma3x MU Online Season 7,Experience 10&15x NO RESET!
Dom Maio 18, 2014 4:32 pm por jacklin

» AMIGOS TOTALMENTE DIFERENTES (blog)
Sab Fev 15, 2014 10:11 pm por jorge2009sts

» BENÇÃO OU MALDIÇÃO: FESTA DE DEBUTANTE (cap. final)
Sex Fev 07, 2014 11:18 pm por jorge2009sts

» BENÇÃO OU MALDIÇÃO: FESTA DE DEBUTANTE (cap. 5)
Sex Fev 07, 2014 10:31 pm por jorge2009sts

» BENÇÃO OU MALDIÇÃO: FESTA DE DEBUTANTE (cap. 4)
Sex Fev 07, 2014 10:30 pm por jorge2009sts

» BENÇÃO OU MALDIÇÃO: FESTA DE DEBUTANTE (cap. 3)
Sex Fev 07, 2014 10:28 pm por jorge2009sts

Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum

[ Ver toda a lista ]


O recorde de usuários online foi de 117 em Qua Jun 23, 2010 11:45 pm
Votação

O que mais te atrai no clube do livro?

44% 44% [ 128 ]
31% 31% [ 89 ]
11% 11% [ 31 ]
4% 4% [ 13 ]
10% 10% [ 28 ]

Total dos votos : 289


[FICÇÃO] UM MUNDO SEM POESIA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[FICÇÃO] UM MUNDO SEM POESIA

Mensagem por Manoel de Jesus Santos Ba em Qui Set 16, 2010 8:52 pm

UM MUNDO SEM POESIA
1º de janeiro de 2057. Início de mais um ano novo. Este, entretanto, diferente de todos os outros anos novos, já registrados na história da humanidade. Ao amanhecer, o sol não desponta com seus raios luminosos e fulgurantes. Os olhos humanos procuram pela luz da estrela de quinta grandeza, do nosso sistema planetário, mas não a encontram.
A comemoração pela virada de ano ocorrera, aparentemente, bem. As pessoas entregavam-se as suas concupiscências, paixões e desejos, apetites e bebedices desenfreadas. Tudo isso como se fosse o último dia de suas vidas.
Todo o egoísmo e maldade, que até agora, tinha se mostrado tênue, aflora, emerge com toda a sua intensidade escarlatina. Os homens correm como loucos em busca de algo, que eles não sabem o que é. A sensibilidade humana está embrutecida.
Não existe mais solidariedade, e muito menos, a compaixão. Nas faces dos homens não se vê mais os músculos de expressão do sorriso. Nas faces, só há uma sisudez, um semblante de chumbo, um olhar fulminante, ferino e mortal.
Das bocas dos homens não saem mais panegíricos. A maldade impera nos corações. Já não existe mais, nem um sequer, filantropo. Homens e mulheres, jovens e crianças desfalecem em meio às trevas. Os corações racham. Os cérebros fundem-se em suas caixas cranianas.
A palavra (amor) está eclipsada. Os seres humanos não conseguem pronunciar tais fonemas. O ódio, o rancor, a ira, a contenda, a discórdia, andam de mãos dadas. Elas sorriem e gargalham com tons e sons diabólicos, que fazem vibrar, com suas ondas, a mais embrutecida e embotada alma. Um pandemônio. Uma celeuma.
As pessoas tentam encontrar em seus arquivos memoriais, alguma palavra, algum gesto, alguma atitude, alguma recordação, por mínima que seja – que possa refrigerar as suas almas, que possa trazer-lhes conforto, mas não as encontram.
As crianças perderam as suas inocências. Choram e gritam como se fossem pequenas bestas-feras. As mães não mais ligam para os sofrimentos de seus filhos. As úberes, das mães, não produzem mais o líquido precioso. Secaram-se. Os úteros foram amaldiçoados, com a infertilidade.
Esta cena apocalíptica, catástrofe da humanidade, se passa em todo o globo terrestre. Maldita Pandora! A esperança morreu!
Só resta agora caminhar, direito ao suplício, ao tormento da humanidade: consciência culpada.
Um dia a humanidade desdenhou, zombou com seus escárnios vilipendiosos, dos poetas. Ela clamou e suplicou para que as sociedades dos poetas, juntamente com as poesias, fossem extintas. De que nos vale a poesia, diziam os homens. E todos, sem exceção, concertaram em uníssono: é preciso extingui-la de nosso meio.
E assim, se cumpriu. Todos os poetas foram mortos. Todos os livros de poesias foram incinerados. Leis foram criadas para abolir das instituições de ensino, toda e qualquer manifestação poética. E aqueles que não cumprissem a lei pagariam com a própria vida.
Os homens não sonhavam mais. As fantasias, não mais existiam.
O mundo tornou-se opaco. Os astros celestiais, fontes de inspiração dos poetas fugiram das faces dos homens. A natureza enlutou-se.
A rosa exala um odor fétido, nauseabundo. Os cantos dos pássaros, que outrora, trazia alegria aos homens, eram agora, lúgubre, pressagioso, agorante.
E agora, a humanidade estava pagando um alto preço. Ela tornara-se vil e desrregrada. Caminha em passos largos para o seu fim. Pois, a poesia, instrumento de toda sensibilidade e beleza, não existe mais.
(BARRETO, Manoel, 2004)

Manoel de Jesus Santos Ba
Iniciante
Iniciante

Capricórnio Macaco
Número de Mensagens : 4
Idade : 48
Q.I. : 13
Reputação : 0
Data de inscrição : 16/09/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [FICÇÃO] UM MUNDO SEM POESIA

Mensagem por MiraCouto em Ter Set 21, 2010 1:42 pm

Legal! Parece uma sinopse ou resenha, deixou gostinho de 'quero mais'..

Dá pra imaginar um mundo assim??

Bj

_________________
"Por te falar eu te assustarei e te perderei?
Mas se eu não falar eu me perderei e por me perder eu te perderia
."
Clarice Lispector
avatar
MiraCouto
Moderador do Clube
Moderador do Clube

Touro Rato
Número de Mensagens : 231
Idade : 33
Localização : Rio de Janeiro
Q.I. : 328
Reputação : 50
Data de inscrição : 13/11/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [FICÇÃO] UM MUNDO SEM POESIA

Mensagem por Rodrigo Marin Turra em Qua Set 22, 2010 1:26 pm

Concordo com a MiraCouto. Parece que vai sair um filme desse texto.

Incrível
avatar
Rodrigo Marin Turra
Iniciante
Iniciante

Gémeos Cobra
Número de Mensagens : 12
Idade : 28
Localização : São Paulo
Q.I. : 20
Reputação : 4
Data de inscrição : 15/09/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

um mundo sem poesia

Mensagem por yohanna lopes de oliveira em Sab Maio 07, 2011 2:02 pm

Nossa! um texto muito intenso embora carregado de uma dor lacinante. Estou curiosa em saber o que aconteceria se você houvesse dado continuidade. "A musa que sem seus súditos fiéis propagadores da palavra e de beleza, tornou-se vítima de corações insensíveis e carrasca de almas insalubres."

yohanna lopes de oliveira
Iniciante
Iniciante

Touro Cabra
Número de Mensagens : 8
Idade : 26
Localização : anápolis
Q.I. : 14
Reputação : 2
Data de inscrição : 18/04/2011

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [FICÇÃO] UM MUNDO SEM POESIA

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum